Resposta pública a Marcelo G


Vasculhando a Internet atrás de alguma das fotos que tiraram do meu manifesto ontem na central e do depoimento que eu dei a um repórter de rádio, tropecei na resposta de um homem identificado como  Marcelo G a um comentário meu nesta postagem do blog do Reinaldo Azevedo.  Não ligue para o apelo sentimental do título.

Infelizmente, não existe (ou eu não habilitei) mecanismo de acompanhamento dos comentários. Até porque, o blog do jornalista Reinaldo Azevedo goza de elevada audiência e seria insano fazê-lo. Mas, como providencialmente esbarrei nela agora pouco, aproveito para responder, apesar do atraso de pouco mais de um mes 🙂

Seguem os nossos comentários anteriores, para o panorama cronológico:

Bruno Linhares:

De novo (já que o comentário anterior, no post sobre o Marcelo Tas e sua filha foi desconsiderado):
O amor paternal/maternal não está sendo posto em dúvida. Até o Bolsonaro, quando diz que daria “tabefes” no filho para corrigí-lo acredita, não há dúvida, de que tal medida é parte do amor e educação dedicado aos filhos.
Colocam aí a preocupação moral dos pais como se fossem preocupação vã, mero capricho.
O erro homossexual é não admitir-se contrário à natureza.

Marcelo G:

Ao Bruno Linhares que escreve abaixo: você afirma que o ërro homossexual é não admitir-se contrário à natureza”. Eu gostaria, sinceramente, que você esplicasse a todos os leitores o que significa “contrário à natureza”. E o que não seria contrário?? Um tsunami é contrário à natureza ou é um evento natural? Uma doença genética rara é contrária à natureza ou, ainda que rara, é um evento proporcionado pela própria natureza? Homo, hétero, com mais ou menos melanina na pela, mais ou menos inteligência, somos todos frutos da natureza, de uma mesma natureza. Nada é contrário à natureza pois tudo vem dela, mesmo o mais improvável dos eventos. Não fale bobagens apontando para a natureza. Os maiores gênios de toda a história morreram tentando entender porções mínimas da natureza. E vc vem, com essa falácia de butiquim dizer o que é contrário ou não a ela…….
Vitor parabéns e obrigado por partilhar um texto tão comovente conosco!! Tio Rei, minha eterna admiração!!
Abraços

Eis a resposta, na torcida que o Marcelo ao exercer a curiosidade de procurar a respeito de si mesmo pela Internet (aliás, recomendo a todos fazerem isso. É assaz interessante) também esbarre aqui e possa retribuir:

Ao Marcelo G:
O termo “contrário à natureza” requer pouca explicação. Humanos foram feitos por Deus homem e mulher, complementares. E ainda que você não dê crédito ao criacionismo, biologicamente homem e mulher são também complementares. Se te agrada: os macacos não teriam virado seres humanos se tivessem resolvido “brincar de papai-e-papai”.
Chegando na esfera social: todo ser humano em formação de seu caráter precisa de ambas figuras naturais do homem e da mulher, personificados nos agentes “pai” e “mãe”, componentes integrantes da fórmula que os militantes tanto atacam (por inúmeras razões, tratadas aqui e aqui): a família. E um gay, por causa de sua perturbação psicológica, jamais poderá fornecer ambos os indispensáveis papéis e valores para auxiliar no pleno desenvolvimento psicológico do ser (normalmente na fase infantil).
A propósito do desejo gay de adotar filhos, pergunto ao Estado: que pai ou mãe normal contrataria para cuidar de seus filhos uma babá reconhecidamente pervertida? Nenhum, certo? Então porque confiar pobres crianças sem guarda a pervertidos?

Respondendo suas questões:
1) Tsunami é evento inegavelmente natural. Placas tectônicas se movem e geram deslocamentos magnânimos de água, que provocam ondas maiores que o normal. Como os seres humanos (que, a propósito, são naturalmente homem e mulher, desde o nascimento) podem desenvolver comunidades nos litorais, ficam sujeitos a eventuais tsunamis. E quando eles estão ali, e são gravemente afetados, ocorre o que chamamos desastre.

2) Doença rara é um assunto mais complexo. Podemos dizer que é natural, a medida que pode ser tanto fruto de uma mutação genética ocasionada por causa não identificada ou comprovada que, veja bem: altera a constituição física do ser humano (daquela espécie que costuma – vejam só – naturalmente nascer homem e mulher), quanto uma reação à exposição da gestante a fatores externos nocivos (cigarros, radiação, química de origens diversas…). Mas, de uma coisa podemos ter certeza: representam um assunto muito mais racional e útil à comunidade humana mundial de se estudar, do que meios de provar que vocês gays não têm a total culpa da opção que fizeram.

O pior é você tentar jogar a culpa da sua torta escolha em agentes diversos, tentando inutilmente isentar-se de toda a responsabilidade pela escolha. Agir assim, aliás, demostra até mesmo o incômodo e insegurança em reconhecer-se, em admitir-se gay. É estranho, não? Soa como agir contra a própria natureza. Dá pra imaginar…
Sabiamente, minha namorada, futura noiva e esposa, observou a contradição, a negação na “praga” que os gays e simpatizantes adoram jogar em mim, para que eu tenha um filho que vire gay. Não deu certo com o Deputado Jair Bolsonaro e não dará para mim também. Mas é curioso como vocês usam a perversão do homossexualismo como um mal a ser imputado a um oponente.
Leitor, viu como homem e mulher se completam? Rita, amo-te!

Olha, Marcelo, “ter mais ou menos melanina” nao é exatamente o que se possa chamar de “evento improvável”. A biologia explica como filhos de pais negros podem nascer negros, filhos de pais brancos podem nascer brancos, e filhos de um de cada cor que há, combinados, podem nascer morenos ou pardos ou mamelucos, cafuzos, mulatos ou quase. Ah! Como filhos de índios legítimos nascem com cabelos lisos, crianças cujos pais são ambos ruivos nascerão ruivas, loiros geram loiros e por aí vai, sem esquecer nenhuma raça pra não ser acusado injustamente pelo seu pessoal. E, enriquecendo os exemplos: como filhotes de macacos nascem, ora bolas: macacos!
Agora, vá você cruzar com uma cabra pra ver o que vai dar…

Já a conduta homossexual, que desfaz-se, renega o próposito natural da procriação, da perpetuação da espécie humana, não pode ser considerado como uma casualidade, como “um movimento de jogo de tabuleiro que a natureza tirou no dado”. A natureza, aliás, é uma programação fascinantemente desenvolvida pelo Criador (que uns acadêmicos resolveram apelidar de “Big Bang”, pra serem “cool” ou escaparem de bullying) o que significa que, não é um ente dotado de intelecto, a ponto de tomar decisões como quais macieiras no pomar darão pêras esse ano, quantos milímetros cúbicos de chuva devem cair pra derrubar aquele barraco na encosta, ou quais desses homens e mulheres devem ofender a ordem natural da vida negando a sua vocação correta, inata.

Vamos a um exemplo científico e biológico (farmacêutico, eu diria),  prático, que não se ouve (ou lê) em qualquer “butiquim”:
O órgão genital feminino, a vagina, produz lubrificação própria para o ato sexual, permitindo assim a introdução do órgão genital masculino, o pênis, nela, configurando o ato sexual condizente com a natureza. Já o esfíncter anal, não o possui. Aqueles que se aventuram a introduzir-se por lá, sofrem microlacerações na fina pele do órgão, expondo-se a infecções causadas pelas bactérias presentes no produto do processo digestivo, as fezes que, condizendo com a natureza, passam por lá e de lá saem. A fim de proteger-se destas ameaças, e suplantar a legítima indisposição deste canal para o ato sexual, faz-se uso de preservativos feitos de borracha e/ou de lubrificantes baseados em vaselina. Diga-me: estas duas substâncias sintéticas são – em alguma casualidade da natureza – produzidas pelos organismos humanos (descendentes ou não dos macacos)? Talvez em alguma “doença rara” que você conheça…
Posso usar exemplo do canal respiratório também, se este aplicado te constrangeu.

Se depender da “tese científica” de vocês gays, as outras atitudes indecorosas da humanidade, como a corrupção, a falsidade, a inclinação à violencia e terrorismo, pedofilia, zoofilia, crimes de roubo, e até de intolerância (que dizem por aí que afeta os gays ferozmente, mais do que qualquer outra “minoria”) deverão ser perdoados e consentidos sob a alegação de serem naturais, de serem inevitáveis, incorrigíveis.

Por fim, Marcelo G, não adianta espernear e nem tentar gritar o mais (fino) que conseguir. Homossexualismo é antinatural. Além disso, por ser antinatural e perturbar a sociedade normal, é imoral. Deve ser tratado como os demais distúrbios psicológicos.
Os efeitos da aceitação desta conduta pervertida, desta deturpação dos valores já estão sendo vistos na sociedade de bem, como o desrespeito à democracia praticado pelo STF, a “sugestão” do governador Sergio Cabral (RJ) de suporte operacional das forças militares sob o seu comando a eventos gays, desrespeito praticados pelos seus colegas contra os opositores, sejam eles religiosos OU NÃO (conforme meu post anterior aqui do blog).

Felizmente, o Senhor Jesus Cristo, que suportou ofensas muito maiores que um pífio beijo gay pela salvação da minha alma e da sua também (goste você ou não) há de olhar e providenciar pelas pessoas que ainda mantém o bom senso e a decência, e lutam pela verdadeira ordem natural da humanidade, defendem a família, e o direito das crianças de não serem assediadas com kits-gay. A Comunhão dos Santos promove a intercessão daqueles que pelo amor à vida lutam contra a desordem que vocês provocam. Sem dúvida, o Arcanjo São Miguel atendeu meu pedido de proteção ontem, evitou a injúria física pretendida por um travesti de rua contra meu humilde e pacífico cartaz.

Continuaremos orando para que o Espírito Santo de Deus fortaleça os deputados e senadores suscitando neles a coragem necessária para manifestar-se contra o PL122, o kit-gay e demais aberrações políticas promovidas pelos gayzistas.

Paz e Bem

O Andarilho

Anúncios

Um pensamento sobre “Resposta pública a Marcelo G

  1. Pingback: Captare Recomenda: O Legado do Andarilho « Deus o quer!!! – Captare's Battle Site

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s