As bactérias amestradas


Fonte: http://niccharlie.deviantart.com/art/Helicobacter-pylori-plushie-157328876

A sexta-feira passada amanheceu com a notícia de que a hashtag #DestruaUmaIgreja estava causando polêmica na rede social twitter.

Algum neoateu, no exercício da sua religião que cultua a ignorância (mais até do que o ódio à religião cristã), conseguiu emplacar este termo insosso. Em nossos tempos, qualquer porcaria facilmente ganha espaço na Internet porque temos um aumento constante do número de consumidores destas imundícies intelectuais.

A melhor figura para representar o intelecto de um neoateu é a de um objeto orgânico em decomposição: poderia ser de grande valia, se devidamente utilizado, mas caminha para a podridão, com todos os seus odores insuportáveis e aparência repulsiva.

Para nós cristãos, não é propriamente um caso para muita ofensa. Já temos as respostas para esta provocação:

Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agires assim?” Jesus respondeu: “Destruí vós este templo, e em três dias eu o reerguerei”. Os judeus, então, disseram: “A construção deste templo levou quarenta e seis anos, e tu serias capaz de erguê-lo em três dias?”  Ora, ele falava isso a respeito do templo que é seu corpo. (Jo 2, 18-21)

Eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contar ela. (Mt 16, 18)

Está óbvio que a Igreja não precisa se preocupar em ser prejudicada em sua essência, em sua constituição, por causa destes rebeldes-sem-causa. Eles julgam que o poder e a importância da Igreja está em seus templos de concreto; no entanto, a importância da Igreja para o mundo é muito mais espiritual que material.

Quando alguém deseja oferecer resistência veementemente às ideias ou intenções de um opositor é comum (ou pelo menos foi até meus tempos de criança) fazer uso do termo “só por cima do meu cadáver!”. Essa construção alegórica evoca o conceito de que somente eliminando a presença visível daquele que resiste seria possível avançar. Somente eliminando este sinal visível é que seus ideais deixariam de existir. Daí, os neoateus imaginam que eliminando a presença visível da Igreja – seus templos de concreto, madeira e vidro – o cristianismo estaria acabado. O que eles compreensivelmente ignoram é que a Igreja é corpo místico de Jesus Cristo e sendo ela sinal visível de um Deus invisível – e acima de tudo: ressuscitado, indestrutível – não está sujeita a essas ameaças pífias.
Ora, na alegoria destacada acima, a morte daquele que resiste ao ataque representaria o fim. Em se tratando da Igreja, Aquele que resiste aos ataques do mundo já morreu, ressuscitou e não morre mais.

Uns “rebeldes”, brincando na tag, disseram:

– #DestruaUmaIgreja – e construa um hospital

– #DestruaUmaIgreja e construa uma escola

Essas duas sugestões descabidas são importantes porque atestam a imaturidade do movimento neoateu, em especial aqui no Brasil. Todos os dias somos lembrados de que ambos os sistemas de saúde e educação pública estão altamente carentes de profissionais. E os profissionais que fazem parte do quadro de funcionários destas máquinas públicas constantemente queixam-se de baixa remuneração. O que faz então um ateuzinho entrar na Internet pra “xingar no twitter” que se deve substituir igrejas por escolas ou hospitais? Só pode ser titica de bactéria na cabeça mesmo. O sujeito deve ter enfiado seu orgulhoso polegar opositor no nariz com tanta força que afetou o cérebro.

Esse é o retrato da alienação que nossa sociedade vem sofrendo. Tão preocupante, para nós, quanto o fato de eles estarem crescendo sem fé é o fato de estarem crescendo burros! Ora, muitas das vezes, ignorância é sinônimo de animosidade, porque um sujeito bronco não é capaz de dominar seus instintos através do raciocínio. Quanto mais inculto, quanto mais ignorante, mais próximo dos animais irracionais o sujeito se torna. E mais fadado aos impulsos das paixões primitivas ele está. Por isso, essa turba volta-se com olhos débeis, bocas espumantes e dedos tortos contra a Igreja.

E, como prova da impotência da criatividade do ateísmo, os bocós sugerem que se ponha abaixo um edifício para se levantar um de outra finalidade no lugar. Notem bem: no MESMO lugar. É isso que os cientificistas de fim-de-semana sugerem. Como “dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo”, os “brilhantes” neoateus entendem que é preciso substituir, como se não houvesse mais espaço vazio para eles construírem escolas, hospitais, pracinhas, cassinos, bares, etc.
Epa! Quase cometi um equívoco! Eu escrevi “para eles construírem”, mas resta evidente que esses esclarecidos não estão interessados em construir nada para a sociedade, mas somente desconstruir o que julgam ser danoso. Não são capazes de combater um suposto mal com um bem, porque não têm nada de bom a oferecer. Só externalizam para o mundo a sua raivinha infantilmente inconformada.

Está com raiva, neoateu? Bata a cabeça na parede… da igreja!

***

Soube de mais um perfil blasfemo no facebook e, entre as coisas ridículas que diz, consta isto:

O que o ateu esqueceu de considerar é que Adão foi gerado a partir do barro, mas tornou-se um ser vivente somente após receber o sopro do Espírito de Deus. É essa a parte crucial da criação do ser humano. Assim, embora Eva tenha sido formada a partir da carne de Adão, também ela tornou-se um ser vivente somente ao lhe ser insuflado o mesmo Espírito. Por esta origem, eles não são nem irmãos, nem homossexuais. Exdrúxula é, por sua vez, a conclusão que poderia ser tirada da (i)lógica ateísta: somos formados pelos cromossomos de pai e mãe, masculino e feminino. Somos, por isso, ao mesmo tempo, homem e mulher?! As palavras desses ateus são uma ofensa à inteligência humana!

Ainda podemos observar o cinismo com que eles insinuam que nós endossamos o incesto: Deus criou um homem e uma mulher e estes copularam para criar a humanidade; seus filhos também devem ter copulado entre si (ou os pais com os filhos), etc. Ora, desconsiderando a criação, a mesma trajetória sexual teria ocorrido através da trajetória humana evolucionista. E aí? Em quê eles seriam diferentes, em moral, de nós? É ridículo… E pior que isso: chega a ser triste ver jovens, adolescentes e até marmanjos repetindo boçalidades com a propriedade de quem apresenta uma tese de mestrado.

Além disso, a geração da mulher a partir da carne do homem era já um prenúncio da relação de Jesus Cristo com a Igreja. Mas é claro que não podemos esperar que um ateu compreenda isso. Para entender os mistérios da fé, é preciso a graça de Deus, inteligência e racionalidade  para muito além da primitiva perspicácia de que esses novos ateus são dotados e que lhes permite apenas fabricar troças tão subdesenvolvidas.
Infelizmente, para eles, desenvolver inteligência é um processo de evolução que demora milhões – às vezes bilhões – de anos.

Em suma, caros leitores católicos, não nos preocupemos muito com os novos ateus. Se pudermos processá-los por suas bobagens, ótimo. Se tiverem um tempo, denunciem o perfil blasfemo diretamente no facebook. Mas no fim, eles não passam de bactérias amestradas e invejosas, porque nós, cristãos, outro grupo de bactérias, temos o que nos entretenha, algo pero que nos dedicar e viver.

Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos evoluídos seres criados Ele!
Bruno Linhares

Anúncios

Um pensamento sobre “As bactérias amestradas

  1. Bruno,

    Muito bem colocadas as palavras. Parece que há um pequeno movimento “organizado” dos ateus, achando a quem ofender. São tão sem noção que apelam para a baixaria, e sem argumentos, chegam a ser patéticos!

    Abraços,

    Rodrigo (@RdxP)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s