É, hoje, “O Dia” da baixaria

Gabriel Sabóia, jornalista do “O Dia”, valeu-se de seu posto para desferir impropérios contra a organização da Caminhada Pelas Famílias, utilizando-se de informações incorretas sobre a Igreja. Talvez ele seja daqueles gays que sentem que “nasceram errado”. O fato é que o artigo dele, esse com certeza, já nasceu errado: logo no título ele acusa a passeata de ser “contra a família homossexual”, cometendo diversos equívocos.

Em primeiro lugar, chamar uma união homossexual de família é forçar a barra. O sr. Sabóia pensa que os cristãos estão indo na “contramão” da História (ele grafou a palavra com a inicial minúscula, talvez estivesse se referindo às histórias fantasiosas de dentro da sua cabeça…) mas todo aquele que declara que dois indivíduos do mesmo sexo unidos formam uma família está, na verdade, indo na contramão da Biologia. Afinal, não fossem os pais de dois homossexuais, por sua vez, heterossexuais, a dupla de ofendidinhos não teria chegado jamais a ver a luz do dia.

Em segundo lugar, devo denunciar a má intenção do autor em avisar que “o Movimento LGBT reage”. Como assim reage?! Quem foi que legitimou meia dúzia de militantes a responderem por toda uma parcela da sociedade? O sr. Sabóia zomba dos muitos homossexuais brasileiros que não se sentem representados por aqueles que praticam absurdos em nome da causa e que não pediram, em absoluto, a ajuda de ninguém. O discurso do jornalista é pura incitação à uma fajuta luta de classes. E não é difícil dar razão a estes homossexuais sensatos quando vemos como o chamado “Movimento LGBT” age, seja em suas passeatas gays repletas de ultrajes e atentados ao pudor e ultrajes aos objetos de culto, quando fazem protestos até mesmo dentro de eventos religiosos (como no episódio das masturbações com imagens de santos DURANTE AS ATIVIDADES DA JMJ), quando comparecem a audiências públicas e se comportam de maneira má educada e autoritária, etc. Quem poderia se sentir representado por pessoas que pensam o mundo a partir de seus genitais?

Ufa! Isso foi só um pouco do que se pode dizer do título e do subtítulo da matéria!
Gabriel começa o corpo do texto afirmando que a marcha vai “na contramão do Vaticano”. Alías, talvez caiba um à parte aqui: em menos de 25 palavras a redação dele utilizou “contramão” duas vezes. Isso significa muitas coisas… arrisco uma avaliação psicológica para dizer que revela um traço de intolerância do autor. Alguém que talvez acredite cegamente que a humanidade só possa ir num único sentido e que revisar suas escolhas e caminhos tomados seja invariavelmente um erro; que não aguentar ser contrariado.

Claro que quando sr. Sabóia escreve que “um Papa, pela primeira vez, flexibiliza o discurso e pede igualdade no tratamento dado aos homossexuais” ele não tem razão. E não é nem porque Francisco não tenha sido o primeiro Papa a dar uma atenção caridosa a eles ou a ter admitido uma necessidade de melhorar o atendimento pastoral desses filhos da Igreja, mas porque – pasmem! – jamais um Papa promoveu ou incitou a desigualdade de tratamento! O jornalista usa de subterfúgios para difamar cristãos, acusando-os de preconceituosos, de terem conduta discriminatória, de hostis. Mas eu sei, não devemos jogar pérolas aos porcos, logo não é tão proveitoso assim adentrar na Doutrina Católica, no Catecismo para recitar todas as orientações (anteriores a Francisco) elaboradas pelo Magistério e ratificadas pelos últimos papas. Afinal, o resmungo do sr. Sabóia tem um fim bastante específico, como se vê avançando na leitura.

Há poucas semanas deu-se na câmara municipal de São Gonçalo uma audiência pública para a discussão de vários temas integrantes do Plano Municipal de Educação. O item mais polêmico sendo a inserção da Ideologia de Gênero na pedagogia escolar. Amigos meus que estiveram presentes relataram que o “Movimento LGBT” daquela vez não esteve tão forte, inclusive sendo surpreendido por uma vereadora que se declarou lésbica E contrária à prática dessa doutrinação ideológica; militantes gays ficaram irados por esta vereadora ter dividido com a audiência que vive a castidade e é cristã… Ah! Recentemente o “Movimento LGBT” fez uma vítima: uma professora chamada Paula Marisa foi expulsa do colégio em que lecionava por ter feito questão de transparência da escola para com os pais dos alunos quanto à uma palestra que abordaria a Ideologia de Gênero e seria ministrada por um representante da secretaria de assuntos de diversidade do município. O testemunho dela pode ser assistido aqui.

O jornalista Gabriel Sabóia desinforma seus leitores quando escreve que Continuar lendo

Papa Francisco e os fantoches do comunismo

 

IMG-20150709-WA0046

A visita do Papa Francisco à Bolívia foi um enorme sucesso de público e crítica! Milhares de internautas ficaram boquiabertos e olhiabertos com a audácia e o deboche do presidente Evo Morales em presentear o líder da Igreja Católica com símbolos comunistas. Centenas de internautas se indignaram com a atitude do Papa, em quem o boliviano pendurou na velocidade da luz os colares praticamente ao mesmo tempo em que entregava a monstruosa escultura. Ora, enquanto chefe de Estado visitando outro, não cabia a Francisco dar um ataque de pelanca e sair arremessando ou devolvendo os apetrechos, dando a Morales o benefício de posar de ofendido diante do povo católico boliviano. Era tão mais diplomático simplesmente jogar as tralhas fora em reservado! Do jeito que se irritaram os fiscais do papado, parece até que o Papa encomendou aquela escultura para colocar em seu criado-mudo…

Mas claro que os opositores do papa argentino não deixariam barato, não descansariam mesmo quando a saia justa ficou elegantemente resolvida. Mais tarde o papa proferiu um discurso para os movimentos sociais e aí a operação lambança recomeçou, numa sinistra joint venture entre anti-Bergoglianos, liberais, protestantes e toda sorte de gente que sentiu vergonha alheia quando não havia o menor motivo para tal. A raiz do problema, para não variar, é que a maioria deles simplesmente não lê os discursos oficiais, não vai nas fontes.

Como é que pode alguém ler

Por isso gosto tanto da imagem do processo, onde a paixão por semear, por regar serenamente o que outros verão florescer, substitui a ansiedade de ocupar todos os espaços de poder disponíveis e de ver resultados imediatos.

e ter a pachorra de chamar o Papa de socialista?! Só se estiver eivado do mais obstinado preconceito e da mais intransigente implicância com Francisco.

Quem é que “anseia por OCUPAR todos os espaços disponíveis e ver resultados IMEDIATOS“? Não são, por acaso, justamente os revolucionários? Não será o socialismo bolivariano de PT e Foro de SP, fraudando urnas, encilhando rebanhos de eleitores com assistencialismos mil, que depois são propagandeados como soluções instantâneas e majestosas de erradicação da pobreza e toda a sorte de injustiças sociais (“Tiramos não sei quantos milhões da extrema pobreza…”)?

O Papa Bergoglio fala em processo, em longo prazo, “paixão por semear”, numa clara alusão ao caráter abstrato da propriedade privada, onde o trabalhador investe seu tempo, energia e amor. Os seguidores da seita do liberalismo sequer tiveram a sensibilidade de notar esse preceito – que é deles próprios, aliás – da liberdade de se trabalhar com o que se tem paixão, tão cegos estiveram de aversão ao espantalho de um Papa que aquela mesma “mídia aparelhada” que tanto denunciam cuidou de fabricar.

Está passando da hora de os críticos pararem de se guiar pela mídia secular. As agências de notícias católicas, como a ACI, a Zenit e a própria Rádio Vaticana (para ficar só em algumas que publicam em língua portuguesa) são muito mais confiáveis.

Uma conduta bem mais saudável que distribuir o esquerdismo da mídia brasileira é ler os discursos oficiais do Papa, suas homilias (sermões) e cartas, pois assim se verá que ele cumpre seu papel de líder religioso. Se querem cobrar energia e retaliação, estão apontando para a celebridade errada (se é que existe uma certa).

O Papa Francisco também disse:

Nas vossas cartas e nos nossos encontros, relataram-me as múltiplas exclusões e injustiças que sofrem em cada actividade laboral, em cada bairro, em cada território. São tantas e tão variadas como muitas e diferentes são as formas próprias de as enfrentar. Mas há um elo invisível que une cada uma destas exclusões: conseguimos nós reconhecê-lo? É que não se trata de questões isoladas. Pergunto-me se somos capazes de reconhecer que estas realidades destrutivas correspondem a um sistema que se tornou global. Reconhecemos nós que este sistema impôs a lógica do lucro a todo o custo, sem pensar na exclusão social nem na destruição da natureza?

Veja bem, o contexto do discurso:
Continuar lendo

Congresso de Católicos Online

conacatEncerrou-se este domingo a primeira edição desta que foi uma das melhores ideias em nova evangelização no Brasil: o 1° Congresso de Católicos Online.

Mais de 40 católicos, dentre leigos e sacerdotes, gravaram palestras sobre os mais variados temas ligados à vivência cristã, distribuidas em eixos temáticos: Ação Política, Comunicação e Arte, Juventude. A inspiração principal é a Cultura do Encontro, propagada por nosso Santo Padre Papa Francisco. Que ferramenta melhor para começar a corresponder a esse chamado, não é mesmo?

Para quem não pôde assistir a todas as palestras, até mesmo para quem não foi alcançado pela propaganda a tempo e ainda não sabia do evento, duas chances ainda existem:

1) Nesta próxima semana, de 18 a 24, sete palestras selecionadas pela produção serão reprisadas, juntamente a 7 palestras inéditas*, bônus do evento;

2) Estão disponíveis pacotes de acesso posterior que dão direito a acessar TODAS as palestras do congresso. Além disso, comprando os pacotes você ajuda duas casas pró-vida da região sudeste (cujas responsáveis participaram do evento).

Aproveitem essa oportunidade. Foi um magnífico evento, bem organizado e com alto nível de conteúdo. Eu mesmo fiz novas amizades com alguns palestrantes e daí surgem oportunidades, projetos… para honra e glória de Nosso Senhor Jesus. Confiram a nova programação através do site: http://www.catolicoemrede.com.br

 

* SURPRESA (não para quem assistiu a “Liga dos Blogueiros Católicos” especial de encerramento):  fui honrado com um convite para compôr a cartela de bônus. Fiquem ligados na programação  e aproveitem minha palestra “Elementar meu caro Ulysses!: Ide e pregai o Evangelho a todo animal político“.


Veja também:

Amizade virtual

Quando um burro fala…

papa-venezuela

(montagem sobre imagens retiradas de matérias de ACI Digital e Rádio Vaticana)

O mundo espera, naturalmente, que os líderes das nações estejam atentos aos eventos internacionais de maior relevância.

A crise na Venezuela, com suas vítimas fatais, num país da católica América Latina gerou enorme expectativa de um pronunciamento do chefe da Igreja. Pois bem, Francisco, no que lhe compete, chamou a atenção para a gravidade e insustentabilidade dos confrontos. Exortou os envolvidos a buscarem o perdão mútuo mas, ESPECIALMENTE, deixou claro que é responsabilidade do governo iniciar a trégua.

Católicos confessos e mal resolvidos, como Luciano Ayan (take it easy, man 🙂 ) acharam que o papa falhou. Luciano Ayan é um exímio analista político, mas fez péssima correlação com a figura do apaziguador (que não corresponde à atitude de Francisco em pauta) e a de um estulto que diante duma briga só quer garantir que ambos os adversários tenham chance e direito de socar o outro, em nome de uma deformada concepção de justiça. Não obstante, recomendo vivamente o acompanhamento das publicações do Cético a todos aqueles que desejam se meter na guerra política.

Escolho conscientemente as palavras finais do parágrafo anterior. Nas entrelinhas, ali, reside a permissão ou a proibição moral de dar azo à histeria diante da fala de Francisco; o papel do papa é orientar seu rebanho, rezar por ele e cuidar da salvação das almas. Não cabe, sobretudo na questão venezuelana, ao chefe do Vaticano deitar tropas contra o exército de Maduro! Nós, vizinhos, vocês, eu, não estamos correndo para lá, para dar nossas vidas pelos venezuelanos! E olha que vamos na iminência de sermos os próximos José Alejandro Márquez e Génesis Carmona, aqui mesmo em território brasileiro…

Continuar lendo

Papa Francisco convida protestantes para “abraço fraterno”

Em uma declaração de improviso, durante entrevista com um pastor chamado Kenneth Copeland e um bispo anglicano, Anthony Palmer (apontado como amigo de longa data de Francisco), o papa se dirige a uma comunidade pentecostal americana e os exorta a superar as diferenças através do reconhecimento da mútua culpa e valorização das riquezas culturais e tradicionais dos segmentos “irmãos” cristãos, em cooperação e sempre confiando na perfeição de Deus, que jamais deixa uma obra inacabada.

Conforme noticiado no site Fratres in Unum:

O Papa Francisco manifestou a sua fé de que Deus conclua bem o processo de unificação das Igrejas cristãs.

Numa mensagem vídeo, dirigida a um encontro pentecostal nos Estados Unidos, o Papa citou Manzoni, um famoso autor italiano, para dizer que esta obra está nas mãos do Senhor e que aos cristãos resta colaborar e confiar: “Nunca vi Deus iniciar um milagre que não concluísse bem”.

O destaque que eu dou para a fala de Francisco é: “eles tinham dinheiro, mas não podiam comer o dinheiro“, referindo-se à passagem do livro do Gênesis, onde os irmãos de José, filhos de Jacó que o haviam vendido para o Egito, o reencontram quando da necessidade de livrar seu povo da fome. Não podemos avançar apenas em apologética, é importante exercitar a virtude cristã da caridade, além de nos policiar para não errar nas medidas que aplicamos para esse e aquele grupos.


Veja também:

Testemunho de um pastor da Assembleia de Deus convertido ao catolicismo
Testemunho de um ex pastor pentecostal convertido ao Catolicismo
Ex-Pastor Luterano Congregacionalista e Presbiteriano dos Estados Unidos, Marcus Grodi, converte-se ao catolicismo
Protestante, filho de pastores, se converte ao catolicismo

JMJ com gostinho de guaraná Jesus

(Fonte: onordeste.com)

(Fonte: onordeste.com)

Estamos na iminência da abertura do Concílio de Copacabana.

A JMJ nos deixou. Ficaram boas e más lembranças. Boas e más impressões. Boas e más críticas. De todos os lados.

A mais recente polêmica da qual tomei ciência envolve a distribuição da Sagrada Comunhão na missa de envio. O fato de as hóstias consagradas terem sido transportadas em vasos (pra usar a nomenclatura da Redemptionis Sacramentum) plásticos está provocando um fuzuê de causar depressão no Rei Davi! (Me fazendo querer fingir alienação também, inclusive…)

Não sei se é falta de Bento ou de (água) benta!
Se até teólogos, como Leonardo Boff, podem falar despautérios, eu que nem ministro extraordinário sou, quero deixar meus “20 centavos” de contribuição para a discussão.

O que vejo estar acontecendo por aí afora onde estão esperneando contra a comunhão da missa de envio é pura e simplesmente o seguinte:

ESTÃO SUBESTIMANDO A MAJESTADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO.

“Carolas”, nosso Deus não apareceu numa SARÇA? Não nasceu, por acaso, Nosso Senhor Jesus numa manjedoura ou não foi o Cristo pregado numa cruz IMUNDA? Porventura uma hóstia que cai no chão DEIXA DE ESTAR CONSAGRADA, DEIXA DE CONTER corpo, alma e divindade DO SENHOR?

Os radicais tradicionalistas Continuar lendo

Papa Francisco fala ao CELAM

LogoCELAMAo final da JMJ, Papa Francisco teve um encontro com os dirigentes do CELAM (Conselho Episcopal Latino Americano) – uma espécie de “CNBB das CNBBs” da América Latina e Caribe. Há quem poderá ver, nessa expressão que eu penso ter acabado de criar, uma verdade sublime… espero que não.

O tema do discurso do Santo Padre foi a aplicação prática das diretrizes emanadas da V conferência, realizada em Aparecida/SP no ano de 2007, da qual ele participou como arcebispo de Buenos Aires. A íntegra do pronunciamento foi publicada no blog do Carmadélio, da Comunidade Shalom, aqui. O artigo do Carmadélio, inclusive, está recheado de grifos assaz oportunos.

Falando francamente sobre a atividade missionária da Igreja, Francisco destacou muito bem uma verdade comumente negada pelos católicos progressistas, que parecem considerar a própria fé católica como uma mera feliz coincidência: “Uma posição como esta (do discípulo de Cristo, que não pode ficar isolado na própria “espiritualidade intimista”), que começa pelo discipulado missionário e implica entender a identidade do cristão como pertença eclesial, pede que explicitemos quais são os desafios vigentes da missionariedade discipular.“. Já ouviram a frase “fora da Igreja não há salvação”, né? Pois é…

Referindo-se a esses desafios, o papa destaca dois: renovação interna da Igreja e diálogo com o mundo atual. Antes que a mídia progressista-modernista consiga difamar o pronunciamento, alardeando que “o Papa falou sobre profundas mudanças na Igreja”, é importante destacar que a respeito da “renovação”, o discurso tratou apenas de uma refrescante melhoria do procedimento pastoral. Admitam, jornalistas: os 6 itens elencados no tópico possuem um caratér por demais “técnico” para seu conhecimento parco e limitado do organismo Igreja Católica. Procurem ficar quietos!

Dirigindo-se diretamente aos bispos da Igreja na América Latina, Francisco lançou interrogativas deveras pertinentes: Continuar lendo

Sua Santidade, o papa Francisco

habemus-papam

No quinto escrutínio, fumaça branca!
Foi uma emoção interessante para mim, que em 2005 não acompanhei o conclave que elegeu Bento XVI. Num dia corrido, recebi a notícia enquanto almoçava e me apressei a novamente ficar online, em especial no twitter, para descobrir quem havia sido eleito e qual nome seria. Também fiquei ligado na Rádio Catedral FM (106,7 MHz) e de lá captei o anúncio, em meio à eletrizante vibração do povo que estava, ao vivo, na praça de São Pedro. Até meu colega de trabalho protestante batista estava ligado em alguma rádio acompanhando!

Confesso que não adquiri ainda o costume de acompanhar de perto os cardeais, então agora começarei a pesquisar mais sobre a carreira do papa.

Sobre o papa Francisco, cardeal Jorge Bergoglio, argentino, temos o seguinte:

Jorge Bergoglio nasceu em Buenos Aires, um dos cinco filhos de um trabalhador ferroviário italiano e sua esposa. Depois de estudar no seminário de Villa Devoto, ele entrou na Companhia de Jesus em 11 de março de 1958. Bergoglio obteve uma licenciatura em filosofia, e depois ensinou literatura e psicologia no Colégio de la Inmaculada em Santa Fé, e do Colégio del Salvador, em Buenos Aires. Foi ordenado sacerdote em 13 de dezembro de 1969, por Dom José Ramón Castellano. Frequentou a Faculdade de Filosofia e Teologia de San Miguel, um seminário em São Miguel.

Recomendo também a leitura deste artigo que saiu no site do jornal Gazeta do Povo.

Me diverti com o resultado inusitado, principalmente por ser completamente imprevisto pela mídia secular palpiteira. Como afirmei já umas duas vezes, não comungo da rixa futebolesca que se vive entre brasileiros e “hermanos”. Também penso que seja cedo para se preocupar com um risco de promoção da teologia da libertação. Oramos para que o Espírito Santo nos desse um santo padre. Continuemos – melhor, redobremos! – a dirigir nossas preces a Deus que ilumine e abençoe o novo pontífice.

Corre a informação de que ele é tido como conservador. Diz-se que é firme opositor do aborto e do homossexualismo. Bom.
No mais, é jesuíta. Que o exemplo do beato padre José de Anchieta o guie. E também dos santos Francisco de Assis e Francisco Xavier.
A barca de Pedro segue navegando. E este é o seu comandante.

papa_francisco

Fonte: blog Dominus Vobiscum


Veja também:

Conheça um pouco da vida do papa Francisco

Resenha do filme “As Sandálias do Pescador” – Projeções de Fé

10 fatos sobre o papa Francisco